9 de ago de 2010

MÃO-DE-BRA E ECONOMIA

O título deste post traz duas preocupações comuns a quem começa a planejar uma grande reforma em sua residência. E “planejamento” é sem dúvida a palavra-chave para não se deparar com surpresas desagradáveis assim que cair a primeira parede.

Pesquisando sobre os temas, cheguei a conclusões que ajudam muito a antecipar questões que certamente são determinantes para o sucesso da reforma. A primeira delas é sobre a mão-de-obra. Temos recebido valiosas ajudas, dicas e orientações de amigos e familiares. Mas, ao mesmo tempo, uma das coisas mais difíceis é indicar profissionais bons e confiáveis para cada serviço específico necessário.

Especialistas dizem que, se for economicamente viável, a melhor coisa a fazer é contratar um empreiteiro ou uma empresa de engenharia ou arquitetura que se responsabilize pelos operários da obra. É uma solução para garantir o cumprimento dos prazos e o controle dos gastos e imprevistos (incluindo acidentes) que surgem a cada martelada. A escolha também te protege de falhas com a segurança dos funcionários, que podem gerar problemas com a legislação trabalhista.

O segundo fator é como economizar na reforma. As experiências sempre mostram que raramente você gasta o que planejou. Em alguns casos, o valor final pode chegar ao dobro ou triplo do que foi orçado anteriormente.

Os arquitetos orientam para investir justamente no planejamento prévio para não se surpreender com os valores. Afinal, não existe nada pior do que interromper uma reforma ou não deixar o seu apartamento do jeito que você queria por causa da parte financeira.

Como são naturais mudanças no meio da reforma, é necessário pensar antes em todos os itens, com atenção especial aos materiais de construção e acabamento. Pesquisar preços com antecedência é de grande importância, pois você consegue fazer um comparativo entre os fornecedores. Outra possibilidade que deve ser levada em conta é concentrar as compras em um ou poucos estabelecimentos. Parece ser a maneira mais prática e eficiente de programar os pagamentos e negociar descontos mais vantajosos.

Agora, resta colocar em prática essas cartilhas. As pesquisas que estamos fazendo deixam claro que o improviso é o único item que já pode ser descartado de uma reforma.

Um comentário:

Cléo disse...

Essa aventura não é fácil, mas se é isso mesmo que vcs querem, vou sempre torcer a favor. Calma, paciência, bons profissionais e dinheiro, já é meio caminho andado p/ a receita dar certo. Bjs meus lindos.