20 de ago de 2010

SOBRE PIAS E RALOS...

O grande barato desse blog é justamente receber e compartilhar dicas, palpites e experiências de amigos, familiares ou leitores que já passaram por uma reforma ou vivenciaram algum dilema na evolução de seus lares.

Por isso, quando o caro amigo Bruno Viécili me alertou sobre pias quadradas, pedi a ele um depoimento, pois enxergo nesses relatos o principal propósito desse espaço. Assim, segue abaixo o ótimo texto dele sobre o "drama" com a pia de seu apartamento. Você vai rir, lamentar junto e, ao final, lembrar disso quando visitar novamente uma casa de construção. Então, leiam até a última gota.


Quando o ralo é só um enfeite

por Bruno Viécili - www.twitter.com/brunoviecili

Há algumas noites, escovando os dentes, lembrei que o Fabio e sua mulher mantinham este blog, com dicas e causos da reforma do apê dele. Lembrei justamente por estar escovando os dentes na pia do meu banheiro. E imediatamente mandei pra ele a dica de nunca comprar uma porcaria como essa. Porque ninguém merece uma pia que empoça.

Foi quando ele pediu essa colaboração, que na verdade é mais uma tentativa de avisar ao mundo que, da mesma forma que invenções promissoras degringolam pelo caminho e sucubem ao desinteresse do mercado, algumas bizarrices vingam e – pior! – encontram quem as compre.

O objeto em questão, foco de todo o meu ódio e resignação, é a pia de cuba quadrada e fundo reto (ou plano, como preferir). A minha é essa da foto abaixo. É bonita e, no conjunto, fica muito bacana no design do banheiro. E só.




São dois os motivos que me fazem ter vontade de descer a marreta nessa pia a cada vez que eu escovo os dentes ou faço a barba. Por isso, tratei de guardar a caixa de ferramentas em um lugar bem distante do banheiro.

Primeiro: a água não escorre. Juro. Abrir a torneira significa que vai formar poça no fundo. O resultado dessa engenharia estúpida: a espuma de pasta de dente cuspida não é drenada. Fica ali, empoçada – no primeiro dia – ou endurecida – na manhã seguinte. Fazer a barba na pia de cuba quadrada e fundo reto, nunca mais. Se nem espuma o ralo engole, que seriam dos pelos recém-aparados do barbeador. Formam um mosaico de pelinhos grudados no fundo e nas paredes da pia. E é ainda pior do que a espuma da pasta de dente, porque isso simplesmente não sai sem esfregar. Ou seja, a bonita e cara peça de louça também não serve para esse tipo de tarefa. Melhor deixar para tirar a barba no banho. Na pia de cuba quadrada e fundo reto, o ralo é só um enfeite.

A solução seria trocar por uma de fundo curvo, como toda pia deve ser. E aí vem a segunda razão de odiar minha pia – e a causa da minha resignação: não dá pra tirar dali. Quando comprei, o apê acabara de ser totalmente reformado. E o gênio que escolheu essa pia também escolheu um pedreiro infame que cortou o mármore da base exatamente na medida dos limites da pia de cuba quadrada e fundo reto. Traduzindo: sem reformar o banheiro, só dá pra trocar por outra igual. Pia normal, nem pensar.

Portanto, para o Fabio e esposa e todo mundo que um dia precisar comprar uma pia, fica a dica: teste-a antes. Derrame na pia um copo d’água, dentro da loja ainda, e veja se escorre corretamente. Ou se, de fato, escorre, pelo menos. E escolha SEMPRE as pias que convergem para o ralo. Sua vida será muito mais feliz, acredite.

6 comentários:

Amanda B Ansaldo disse...

Muito bom o texto!! E agora com certeza não vamos comprar uma cuba quadrada de fundo reto! Obrigadão pela sua dica!!!

Fabio Chiorino disse...

Ótimo, cara. O blog ganha muito com relatos como esse. E sério: a pia quadrada estava entre as nossas opções. Seu aviso veio na hora certa. Abraços e obrigado

@ripetrenko disse...

Bom saber!!!

Monica disse...

Essa dica com certeza será muito útil! Confesso que sempre pensei em ter uma pia quadradinha rsrs

Roberto disse...

Muito boa a dica. Isso que é prestação de serviço. Valeu por um ano inteiro de assinaturas dessas revistas de decoração. Eu tava pensando em comprar uma pia quadrada nesse fds, mas vou ficar com a redondinha mesmo.

@fechiorino disse...

kkkkkkk triste realidade para o Bruno, mas um texto muito bom para nós leitores!!!