16 de fev de 2011

Granero, cadê você?

Engana-se quem pensa que o trabalho de uma reforma começa quando se derruba a primeira parede. Isso porque como alugamos outro lugar para ficar enquanto rola o quebra-quebra, também tivemos a tarefa de retirar absolutamente todos os pertences do apartamento.

A primeira sensação é de desespero. Roupas, objetos pessoais, louça, eletrodomésticos surgem à sua frente e não esgotam nunca. Você enche 2, 4, 8, 12 carrinhos seguidos e percebe que está só na metade. Também nota que guarda coisas que usa uma vez ao ano, com sorte. O amarelado de uns e o enferrujado de outros ajudam a contabilizar os objetos pouco usados na rotina.

E se dois corpos não ocupam o mesmo espaço, imagine então centenas deles. O apartamento alugado tem menos armários e não tivemos outra solução do que amontoar as coisas pela sala e pela sauna. Sauna? Isso mesmo. O proprietário transformou o que seria um excelente depósito em uma sauna, com arquibancada e tudo. Ou seja, bagunça com acentuado odor de eucalipto.

Esse é o momento do desprendimento. Doei camisas de futebol para amigos, joguei fora pares de sapato e fingi que não precisava mais de alguns artigos pessoais (a gente sempre acha que aquele objeto será valioso em algum dia. Talvez em 2034, por que não?).

Sem esquecer da menção honrosa aos pertences de nossa filha. Maria Eduarda tem apenas 11 quilos, mas já carrega uma bagagem capaz de fazer inveja à Alô Bebê. Temos dois ursos pandas para guardar seus brinquedos, mas seriam necessários mais uns 11 e autorização da WWF para armazenar o restante. E por falar na pequena, ela está adorando. Ainda titubeia na hora de entrar nos ambientes e se diverte com a novidade. Ainda não sabe muito bem o que está fazendo por lá, mas é como se estivesse num acampamento muito louco.

Enfim, vamos tentando nos achar em meio ao tsunami de coisas que se acumulam pela frente. Reforma é essencialmente um teste de paciência. É perder literalmente o chão por alguns meses para depois retornar ao lar que tanto desejou. Se quiser comemorar conosco o início das obras, fica o convite para uma pizza. Isso se a gente achar os pratos, obviamente...

6 comentários:

Rose Tambasco disse...

Eu sempre digo que mudar é ótimo pra gente rever tudo o que guarda e depois perceber que viveria muito bem sem a metade disso tudo.Na mudança de Sampa para Americana um caminhão baú enorme foi lotado, isso pq não levamos armários, camas e sofás.
Então.. meus votos de boa reforma e que ela aconteça exatamente do modo que voces planejaram.

Sonia disse...

Adorei o texto e no que se refere a Maria Eduarda,ela deve estar maravilhada com o lugar novo e o tsunami formado.
Boa reforma , boa sorte, muita paciência e que o resultado seja aquele que vcs esperam e se precisar de alguém pra fazer um pouco mais de bagunça, podem contar comigo.A pizza, a gente deixa pra inauguração do novo apto, que vai estar lindo e maravilhoso.Bjs

Sr. e Sra. N disse...

É assim mesmo, em todas as casas, só temos endereços diferentes.

Desejo sorte nessa fase provisória e aguardamos noticias da reforma.

Sra. N

Cléo disse...

A bagunça é muito grande e a trabalheira idem, mas o resultado final é compensador. Falo por experiência própria. Tenho certeza que o apto vai ficar do jeitinho que vcs planejaram.

Amanda B Ansaldo disse...

E olha... a bagunça hj só aumentou... não consigo nem saber onde foi parar o sofá da sala em meio a pilhas e mais pilhas de roupas!

viviane disse...

Pensei em interfonar pra saber se precisavam de alguma coisa, mas...interfonar pra qual ap? Fiquei confusa e depois pensei: Como eu, com uma bb de 3 meses poderia ajudar?
Mas, bem, estamos aki ,alguns andares abaixo, se quiserem comer a tal pizza,rs!
Bjos