21 de mar de 2011

O dia em que eu voltei a voar


Eu voei. Essa informação bastaria, mas, apesar de não ser o foco desse blog, eu quero me alongar.

Quando eu era pequena, voei várias vezes sozinha. Eu amava. Entrar no avião era um dos grandes momentos das férias, achava o máximo. Mas eu cresci, com isso a vida colocou algumas pedras no meu caminho e eu não consegui lidar com elas da maneira ideal e canalizei todos os problemas em um foco só, o avião. Eram dificuldades de diferentes coisas, mas muitas vezes a “obrigação” de ser forte faz a gente esconder os problemas no dia a dia e projetar tudo em uma coisa.

Eu desenvolvi uma fobia, uma doença. Não foi do dia para a noite, foi aos poucos, assistindo TV, escutando relatos de amigos ou de profissionais não muito bem orientados, sendo uma pessoa ansiosa... Esse acúmulo de informações truncadas somadas a algumas turbulências foram crescendo e se tornaram algo desesperador e que atrapalhava a minha vida. Vale dizer que medo e fobia são coisas diferentes, a fobia faz a gente passar mal de verdade. Nosso corpo entra em um processo químico que precisa ser interrompido, mas para isso são necessárias algumas técnicas, e essas eu não conhecia.

Além disso, tem aquelas frases que a gente sempre escuta:
Uma jornalista que trabalha com turismo não pode ter medo de avião.
Uma mãe que quer criar a filha direito não pode ter medo de avião.
Uma mulher que quer conhecer lugares com o marido não pode ter medo de avião.
É nove vezes mais seguro andar de avião do que a pé.
O avião é o segundo meio de transporte mais seguro do mundo, perdendo só p o elevador.
Os pilotos da ativa passam por treinamentos a cada 6 meses.
As aeronaves têm manutenção preventiva continua.

Mas para o fóbico essas informações não significam nada. NADA. O medo parece que vem de forma irracional de algum lugar lá no fundinho do subconsciente e atrapalham a nossa vida.

Depois de 4 anos sem voar eu achei que isso estava passando do limite e procurei por ajuda especializada. Descobri que no Brasil existe uma psicóloga que trabalha só o medo de avião, a Dra Elvira Gross. Entrei em um grupo e fui fazer o curso. Primeiro acontecem encontros do grupo no consultório, todo mundo fala da fobia e recebemos algumas informações importantes; depois temos palestras com comandantes, uma no consultório, outra no hangar da Gol e a última no simulador de voo. No hangar acontece uma experiência interessante, a gente conhece a parte de manutenção da empresa, conversamos com esses profissionais... no simulador passamos por situações de forte turbulência, curvas acentuadas etc. Sai do simulador apavorada. Depois de 2 meses de curso chegou a hora da prova final, dia de voar. E, eu voei. Se eu tive medo? Sim, eu tive, mas foi um medo controlado, mais racional e sem aquela sensação de “ter um treco”. Foi muito diferente. Como o homem nasceu para andar e não para voar é normal que o ser humano tenha um pouco de medo numa situação dessas, é natural, só não pode virar fobia. Mas conseguir controlar esse medo faz eu me sentir uma pessoa melhor. É voltar a poder ir para onde eu quiser, é romper fronteiras.

É difícil falar sobre isso, as pessoas não entendem direito o que é uma fobia e sempre acabam minimizando a coisa ou julgando como algo sem valor. Eu tb já pensei assim uma dia, mas não é dessa forma que funciona. Hoje eu estou me sentindo vitoriosa, eu consegui. Eu venci. Pode não parecer muita coisa, mas para quem TINHA fobia, é muito. Consegui, meu mérito, minha dedicação, minha força de vontade. Tô me achando? Hoje eu posso! Rsrsrs

Quando eu vou voar de novo? Bom, vamos com calma que o santo é de barro! rsrs Mas prometo que vai ser em breve.

17 comentários:

Fabio disse...

Acompanhei semana após semana a evolução da Amanda. O orgulho que ela sente é o orgulho que também sinto dela. Encarar o medo é a única forma de administrá-lo (curá-lo em definitivo é bem difícil). Parabéns, amor! E no próximo voo, eu e a maria Eduarda estaremos do seu lado

Sonia disse...

Amanda, adorei seu relato. Só de vc procurar ajuda e passar a experiência sobre sua fobia de antes e seu medo normal de agora, já é uma vitória e tanto.Parabéns pelo seu esforço e pela sua vontade de voltar a viver com tudo o que tem direito, seja em terra, no mar ou no ar.
Só não vale agora vc deixar de ter os pés no chão e querer viver nas nuvens, né? rs
Seja pra qd for, só posso te desejar uma boa viagem.

Cê Vilanova disse...

é ótimo quando conseguimos superar algum problema, espero que seu relato sirva de exemplo a pessoas que tem algum tipo de fobia e se negam a admitir, ou a procurar ajuda. Você esta de parabéns por encarar e superar o seu desabio pessoal!
bjs

viviane disse...

Como seria bom se todas as pessoas procurassem entender a diferença entre medo e fobia...Admiro sua determinação Amanda,em querer se curar.Por acompanhar de perto a vida de um fóbico,sei qto sofrimento a doença traz.
Parabéns!È uma gde vitória!

Carmen Fiorda disse...

Vai em frente Amanda, assim como vc sempre foi em situações mais difíceis pelas quais vc passou, sou testemunha disso. Vi vc crescer,se tornar mãe e sei q quando vc "pega" uma coisa pra fazer ,vai até o fim. Em meio a todas as turbulências sei q vc é capaz de passar por mais essa.Te admiro muito e em breve estaremos fazendo muitas viagens: vc,oFabinho,a nossa nene,eu,seu pai,a Tarsila e o Tio Pedro. Tia Carmen

Rose Tambasco disse...

Fobia só sabe o que é quem ja teve uma .A minha era com vento..sofri muito...tinha pânico de ir pegar meus filhos na escola se tivesse uma nuvem mais escura no céu.Assim como voce procurei ajuda e hoje nem olho pra cima pra sair de casa, mesmo com todas essas tempestades que andam acontecendo.
Medo é uma defesa natural do ser humano, mas fobia é doença e tem que ser tratada.
Parabéns pela iniciativa.Sua vida será muito melhor a partir de agora.

Cléo disse...

Todas as pessoas que escreveram aqui já falaram td. Então só me resta te dar parabéns e dizer que estou muito orgulhosa pela sua determinação! Bjs

@fechiorino disse...

Mandoca! Faz tempo que não escrevo aqui apesar de acompanhar tudo sempre. Mas esse relato foi especial. Admiro pessoas que adimitem suas fraquezas mas superam seus limites. Parabéns por mais essa vitória em sua vida!!

Marisa disse...

Parabéns, Amanda! Perdi meu medo de dirigir com ajuda de uma terapeuta especializada há pouco mais de um ano. Consigo entender perfeitamente você. Persista que logo mais mesmo o medinho vai embora ;)

Marcela Ribeiro disse...

Uau, parabéns! Que coragem!!! :)
Beijão e boa sorte na reforma, vou acompanhar por aqui!!

Marianna - marianna.juc@terra.com.br disse...

Olá Amanda, boa noite. Pretendo muito fazer um intensivo desse curso agora em 2012, mas como é muito caro queria mais informações.
Você viajou depois disso? Conseguiu manter o bom senso?
Vale realmente a pena?
Obrigada e Beijos,
Marianna

Anônimo disse...

Nossa!!Vc não sabe o bem que me fez com esse depoimento!Me identifiquei em absolutamente tudo o que você disse!!! É bom saber que vc não está só:).Onde fica essa psicóloga,preciso muito!!!Vc tem o contato dela? Obrigada,!

Maselli Iague disse...

Olá, sei que o post é antigo porém achei que valeria a pena comentar.

Primeiro quero dizer que acho você uma pessoa vitoriosa e você tem os meus parabéns !!

Vamos lá.... tenho o mesmo problema que você teve. estou perdendo grandes oportunidades e etc por conta disso e quero muito superar isso !! O caso é que nao consigo de forma alguma encontrar o contato da Dra. Elvira ou da empresa para fazer o curso.

Você teria o contato dela ou algo que possa me ajudar?

Agradeço muito e sei que posso contar com a sua ajuda.

Abs.

Amanda B Ansaldo disse...

Oi Maselli!
O site dela é http://www.medodeaviao.com.br
Vc consegue!!

Anônimo disse...

Você ainda teria o contato da Elvira? Parece que o site foi desativado. Obrigada!

Anônimo disse...

Preciso muito de ajuda para meu marido, nossas férias estão chegando e talvez a gente não consiga viajar. Obrigada.

Marcia disse...

tb tentei este site, mas é redirecionado a outro que náo a conhecem. Se alguem tiver o contato dela, favor nos informar.