25 de ago de 2011

Moleskine, pq esse sucesso?



Você entende o motivo desse caderninho em branco vender tanto e tão caro? Eu pelo menos acho caro pagar mais de R$ 40,00 em um “bloco”... mas em 2007 foram vendidas 7 milhões de unidades! ?!?!

É só fazer uma busca rápida na internet q vc acha frases como “um caderno para poucos” , “paixão movida pelo meu moleskine”, “o charme, a delicadeza e a história fazem do Moleskine um caderno muito especial”, “quem o conhece não vive mais sem ele”, “representa bom gosto e sofisticação”... Então eu quis entender melhor essa relação de amor que as pessoas tem com esse caderno... Pq todo esse frenesi?
Com estilo vintage, capa dura, páginas amareladas e um elástico para fechar tudo ou marcar página... pronto, a descrição poderia terminar aqui, mas a questão chave é a história que já tem mais de dois séculos. O fabricante italiano jura de pé junto que era usado por diversas personalidades como os pintores Van Gogh, Matisse, o escritor Ernest Hemingway...

Os cadernos eram amarrados a mão por uma empresa na cidade de Tours até 1986, quando morreu o último artesão da família. Eles voltaram a ser produzidos por outra empresa em 1998, mas aparentemente as características do produto ainda são as mesmas.

Vi uma entrevista com a diretora de mkt da empresa falando que esses cadernos são para as pessoas que entendem a mensagem que a marca quer passar, que moleskines são cadernetas em branco, livros em branco onde as pessoas tem que entender a mensagem que querem transmitir de escritores e artistas. A empresa considera esse o valor do produto. Por exemplo, passaram a produzir moleskines “guias turísticos” só com mapas da cidade e páginas em branco para anotações, folhas removíveis e páginas transparentes para adesivar e marcar rotas nos mapas. É para as pessoas criarem o próprio guia/diário de viagem. O caderno incentiva a criatividade do dono.



Eles tb já aparecem em alguns filmes como O Diabo Veste Prada e O Fabuloso Destino de Amélie Poulain.

Fiquei aqui pensando, na última viagem que fizemos eu passei um bom tempo antes pesquisando passeios, lojas, caminhos... e anotando tudo em um caderno... grande, desengonçado... e para conseguir um mapa da cidade toda foi um sufoco... eu queria assinalar onde era cada coisa e ficava semi louca carregando mapas e cadernos para todo lado, inclusive durante a viagem. Acho que para mim vai ser essa a solução, um moleskine. Ele tem 14 X 9cm, mais ou menos do tamanho de um passaporte, parece bom, né? Vou me livrar de tralhas que só fazem peso na mala... Vamos ver se também vou passar a amar esses “bloquinhos”.





2 comentários:

Raphael Gonzalez disse...

Eu sou fã de moleskine. Tenho 4 para desenho com aquarela e outros 4 para desenho com grafite ou qualquer outra técnica.

Falo por experiência, depois do primeiro você fica viciada.
Bj,

Pedro Nalon disse...

É caro demais, o preço é ridículo. Prefiro me aventurar fazendo um eu mesmo.