26 de set de 2011

Pão de Açúcar X Sonda


Sempre fiz supermercado online usando o Pão de Açúcar, mas esses dias eu lembrei que uma vez comprei online para uma festa da nossa filha pelo Sonda. Então essa semana fiz as compras no Sonda e olha, gostei. Uma das grandes vantagens é que quando eu fazia compras online pelo Pão de Açúcar a noite eles nunca podiam entregar no dia seguinte, tipo, se eu fazia no domingo a noite, só ia receber na terça feira, e no Sonda a entrega é bem mais rápida, comprei no domingo a noite e recebi segunda na hora do almoço. E isso faz diferença.




As verduras vieram muito melhores, as frutas bonitas e tudo muito bem embalado. Bem embalado demais, na verdade. Sim, esse é o único ponto que eu acho que o Pão de Açúcar ganha. Dá só uma olhada na quantidade de caixas que enviaram:


Agora vamos falar do produto mais legal que descobri nessa compra, Pão de Queijo recheado com Catupiry. MEUDEUSDOCÉU! É bom demais... a caixinha custa R$ 10,00. Mas olha, é um investimento viu rsrsrsrs... Indico.



E para finalizar, ALGUÉM ME EXPLICA O QUE O MARIDO DA SUSANA VIEIRA TÁ FAZENDO NA NOVELA?!?!?!?

24 de set de 2011

Como fazer compras internacionais pela internet

Às vezes nós fazemos compras, principalmente de roupas para minha filha, em sites de lojas americanas que entregam no Brasil. É tudo lindo e financeiramente vale a pena. Já indiquei minha loja preferida para várias pessoas, mas na hora de explicar sobre a importação, frete, taxas... nem sempre consigo ser clara. Ontem pesquisando sobre isso achei um post da Flávia no blog http://scrapbykit.blogspot.com e adorei a explicação dela, então vou reproduzir o texto aqui para vocês verem. É longo, mas um ótimo serviço.




“Ao fazer compras internacionais, é preciso ter em mente alguns detalhes. Primeiro: além do valor do produto, você tem que acrescentar o frete. Sei que aqui no Brasil também tem, mas fora é um pouco mais caro, (às vezes não, por incrível que pareça). Além do frete, tem o possível acréscimo dos impostos e taxas de importação. Vou falar um pouco de cada depois.


Ao comprar no cartão de crédito, lembre-se que você compra em dólares, mas paga em reais, porém o valor do dólar não é o do dia da compra, mas do dia da fatura do seu cartão. Na verdade é o valor do dia em que a fatura foi impressa, então na próxima fatura eles fazem o ajuste para a cotação do dia de vencimento, para mais ou menos.
Normalmente, as comprar internacionais demoram um pouco para chegar. Muitas vezes o problema não é dos correios, mas sim devido a demora na Receita Federal. Porque?? Toda mercadoria importada deve passar pela receita, daí algumas são liberadas e outras retidas. Então, corremos o risco de ter a mercadoria retida pela Receita Federal. Mas esta retenção é apenas para analisar seu conteúdo e tributar os produtos e é por isto que ocorre o atraso na entrega. E nesse caso, teremos que pagar imposto de importação.

Vou tentar falar um pouco mais sobre o que li por aí com relação a taxas e/ou impostos:
Segundo o que tenho lido, o Imposto de Importação é de 60%, mais 18% do ICMS (dependendo do estado). Porém, quando paguei taxas foram “somente” os 60%, não sei porque. Além destes, tem também o IOF – imposto sobre operações financeiras – debitado no cartão. Não sei exatamente o valor exato, algo em torno de 2,5%, ou seja, em uma compra de US$ 100, você pagará mais US$ 2,50, o que apesar de ser um valor baixo, quando somado ao resto, acaba aumentando o custo final do produto.


Preciso ressaltar: os impostos são calculados sobre o valor do produto SOMADO ao valor do frete e também o seguro, caso você contrate algum (eu nunca escolho com a opção de seguro… seria ótimo…mas …).

Observação: algumas lojas, apesar de pagar com cartão, o pagamento pode ser via Pay Pall. Neste caso, o custo é calculado sobre o valor do dólar do dia da compra e na fatura do cartão o valor aparece em reais, e neste caso não há incidência de IOF na fatura.

Quando não pago imposto??

Há muita discussão sobre isto. Mas o certo é que você só é isento, quando sua mercadoria, é enviada por correio, DE PESSOA FÍSICA PARA PESSOA FÍSICA, no valor de até USD 50,00. Veja o que diz o site dos correios:

“A importação via Correios é o serviço que lhe permite comprar produtos em qualquer parte do mundo por meio da Internet, de catálogos ou outro meio qualquer e ter este produto entregue em suas mãos pelos Correios. A operação é muito simples. Quando sua remessa postal chega ao Brasil, ela é entregue a Alfândega brasileira (Secretaria da Receita Federal), que fará a liberação alfandegária (vistoria e aplicação ou isenção do Imposto de Importação). As encomendas isentas de Imposto de Importação são imediatamente entregues pelos Correios. Para remessas tributadas, e entregue um Aviso de Chegada ao destinatário, solicitando sua presença a uma de nossas agências, para pagamento do imposto e retirada da sua encomenda. Remessas postais de até US$ 500,00 (quinhentos dólares americanos) têm seu Imposto de Importação pago nas próprias agências dos Correios.

IMPOSTOS:
As remessas postais internacionais podem se beneficiar do Regime de Tributação Simplificada (Portaria nº 156 de 24/06/99 - Ministério da Fazenda) que estabelece as seguintes regras:

REGRA GERAL: Bens com valor até US$ 3.000,00 (três mil dólares americanos) pagam imposto de importação de 60% sobre o valor aduaneiro da mercadoria, comprovado por documentação fiscal emitida no país de procedência. O valor aduaneiro sobre o qual incidirá o imposto será a soma do valor dos bens integrantes da remessa postal, acrescida do custo de transporte (tarifa postal), bem como do seguro relativo a esse transporte (seguro postal, se houver).

EXCEÇÕES:
• Bens com valor aduaneiro até US$ 50,00 (cinqüenta dólares americanos), cujo remetente e o destinatário são pessoas físicas, estão isentos de imposto de importação, quando distribuídos pelos Correios.
• Livros, jornais, periódicos e o papel utilizado para sua impressão estão isentos de impostos, conforme previsto no artigo 150, inciso VI, alínea "d" da Constituição Federal / 1988.”

Muitas pessoas dizem que compras abaixo de 50 dólares são isentas, mas como vimos acima, não é verdade se for enviada por pessoa jurídica, como o Two Peas, por exemplo. Entretanto, é recomendado por muitos que suas compras sejam feitas abaixo deste valor, para aumentar a chance de não ser taxado. Não existe um critério da receita de qual encomenda será analisada. Todos atribuem a sorte mesmo. Segundo li, as análises são feitas por amostragem, de forma aleatória. Há várias discussões por aí, com sugestões como; compre valores baixos, declare como presente, compre no final do ano porque os fiscais estão com muito trabalho, etc. Mas eu não acredito em nada disso. Minha experiência?? Eu nunca consegui comprar menos de 50 dólares (porque sempre tem o frete) e eu quero comprar um monte de coisas para compensar. Então, vou testando, jogando produtos no carrinho e tirando, sempre analisando o frete (vou mostrar um exemplo depois). Quando estou satisfeita, faço a conta de quanto pagarei de imposto e pronto. Se compensar eu fecho a conta!!! Acho que é este o segredo, acrescentar todos os custos e se valer a pena, compre. Depois, caso não seja taxado, comemore, compensou ainda mais. Faça as contas, neste exemplo: Produtos 230 dólares + frete 90 dólares = 320 dólares + 60% = 512 dólares x valor do dólar.

No meu caso, das compras internacionais que fiz, fui taxada em 2, cujas valores eram mais altos e o peso também alto, além é claro de ter equipamento eletrônico na embalagem. Mesmo assim, já vi sortudas dizendo que não foram taxadas com a eletrônicos. Minha opinião sincera: acho que não adianta comprar pouca coisa, pois o valor do frete pode ser mais caro que o do próprio produto, então eu prefiro comprar vários itens de uma vez. Veja este exemplo: eu pretendia comprar um bloco de papéis no valor de 6 dólares, mas o frete ficou em 10. Assim, vou acrescentando produtos e vendo o que fica bom para mim.

Tem um outro detalhe que gostaria de contar. Na minha compra da Cricut ocorreu o seguinte:
Eu comprei também a Your Story, que e ela vieram em caixas separadas, com notas idem. Daí a receita federal cismou que a YS era uma "máquina super poderosa" e avaliou em 90 dólares, pois a OMC colocou 20 dólares, que era o valor da promoção, mais ou menos. Então eles podem e fazem isto sim, porque acham que a loja de lá declarou valor mais baixo para burlar a receita (apesar de não ter sido este o meu caso).

Bom, mas o que podemos fazer: A receita pode avaliar o seu bem com um valor mais alto? Sim, foi o que fizeram comigo. Mas até então eu não sabia que podia discordar desta avaliação. Quando a mercadoria chega no correio, eles nos enviam um formulário para que possamos buscá-la, que é da própria receita, com o valor dos impostos (60%) e que devemos pagar em cash, lá no correio. Feito isto mercadoria liberada. Só que depois que cheguei do correio, vi que neste formulário há um espaço para que eu possa discordar, bastando apresentar um comprovante do valor real do produto. Tarde demais. Isto tem q ueser feito antes de pagar. Mas agora aprendi, não errarei da próxima. Olha só esta questão do site dos correios:

“O regime de Tributação Simplificado é claro: Bens até US$ 50,00 enviados via correios de pessoa física para pessoa física não pagam imposto de importação. No entanto, você não pode se esquecer de comprovar o valor do bem enviado, por meio da Nota Fiscal de compra. Se você não comprová-lo, a Receita Federal irá arbitrar o valor, ou seja, colocar o valor que ela julga ser o correto. Se esse valor for superior a US$ 50,00, você terá que pagar a importação.

Se, no entanto, você tiver comprovado o valor e mesmo assim, estiverem lhe cobrando o imposto, você, antes de retirar sua mercadoria, deve entrar com uma Revisão Tributária junto à Receita Federal, na qual deve explicar sua situação, citar o número da lei e anexar a Nota Fiscal de compra da mercadoria.

Se você tiver que pagar imposto, receberá uma notificação em sua casa com o valor a pagar e o local de retirada da encomenda (normalmente Correios). Se não tiver imposto a pagar, receberá a encomenda em casa entregue pelos Correios”

Para saber mais sobre a cobrança de imposto:
http://www.receita.fazenda.gov.br/Aduana/rts.htm
http://www.correios.com.br/produtos_servicos/catalogo/internacionais/importacao_correios/intl_import_correios.cfm “

Fonte: http://scrapbykit.blogspot.com

22 de set de 2011

Design em menos 1 minuto

Às vezes, a gente compra 37 revistas de decoração, consulta especialistas, coleciona orçamentos caríssimos. Mas ótimas ideias também podem ser simples e baratas. É o que mostra o vídeo abaixo, com 8 projetos design realizados, cada um, em menos de 1 minuto. A dica é do designer Daniel Strauch, amigo e companheiro de trabalho. Duvido que, depois de assistir, você não vai tentar fazer em casa pelo menos uma dessas artes.


17 de set de 2011

OITO empregadas em TRÊS anos





1 –Era ótima, mas tinha dor no ombro e pediu demissão. Atualmente é copeira de um escritório de advocacia.

2 – Trabalhou 7 anos com a gente, foi embora e depois voltou. Logo no primeiro dia de sua volta pediu p eu trocar um cheque de 500,00 que tinha recebido de uma pessoa. Mas eu falei q não tinha aquele dinheiro em casa e não podia trocar por isso. Foi embora pq sumiu dinheiro de casa, exatamente nesse dia.

3 – Morava a 20 anos em SP, mas não tinha aprendido nada... não falava direito, não era alfabetizada e não cuidava bem da casa. Foi embora pq não dava né.

4 – Uma pessoa boa, mas saiu daqui pq foi trabalhar de babá na casa de uma amiga minha que estava precisando muito de uma ajuda diária naquela época.

5 – Irmã da 4. Sério, não dava. Só queria saber se bater papo e tomar café.

6 – Tinha bom coração, mas criou intimidade demais e começou a dar palpites em TUDO o que não era chamada. Pensou q nossa relação era puramente de amizade, era quase como se eu estivesse pedindo um favor p ela fazer os serviços de casa. Largava o serviço pela metade e deitava no meu sofá p ver TV. Foi embora justamente na época que avisei que eu ficaria uns 15 dias viajando e precisava que ela ficasse por aqui c minha avó.

7 – Parecia uma pessoa boa, porém hipocondríaca. Médico toda semana, às vezes até dois ou três por semana. Começou a faltar demais. Quando digo demais é tipo 4 vezes em uma semana! Pediu p ir embora. Descobri q estava mantendo dois empregos ao mesmo tempo e por isso não dava conta. E as doenças dela e dos filhos? Era histórinha. Os atestados? Comprava no largo 13.

8 – No primeiro dia ela me fala, meu nome é Maria José, mas me chame de Fernanda. No terceiro e no quarto dia ela faltou, mas veio aqui me trazer um atestado pq o filho está internado, com catapora.

Vamos acompanhar a história da oitava né gente... enquanto isso eu vou me virando como dá.

12 de set de 2011

Piquenique

Nossa filha andou meio gripadinha, sem comer direito... coisas de crianças. Então resolvemos fazer algo diferente p ver se ela comia: PIQUENIQUE NO PARQUE!! Na verdade foi um “mini piquenique”, só um lancinho mesmo, mas foi um sucesso! Chegamos na pracinha e ela se divertiu pra caramba nos brinquedos, no tanque de areia e no final, COMEU!!


E não éramos os únicos, olha lá mais uma família fazendo o mesmo...
Fica a sugestão para “mães desesperadas de filhos que não comem” rs.




E to aproveitando tb p mostrar como ficaram as tacinhas de chocolate branco feitas com bexiga. Lembra que no post sobre isso eu falei q ia tentar com o branco? Então, tá ai!


3 de set de 2011

O dilema da sacolinha plástica

Já está no calendário o fim das sacolinhas plásticas nos supermercados de São Paulo: 2012. O protocolo criado pelo governo e depois aprovado pela Câmara Municipal provocou uma disputa considerável entre ambientalistas e indústrias e sindicatos do segmento de plástico.

Os números impressionam. Todo mês, os estabelecimentos comerciais utilizam 2,5 bilhões de sacolinhas plásticas, produzidas à base de petróleo. Nos aterros sanitários, as sacolinhas levam 100 anos para se decompor e se misturar ao solo. Ou seja, é fácil calcular o benefício gerado com a abolição delas.

Mas quem consegue viver sem as maledetas? É um vício voltar das compras carregado de sacolinhas, que, ao longo do mês, servem para “forrar” o lixo da cozinhas e dos banheiros. Aqui em casa a gente recicla o lixo, o que provoca mais uma contradição. Usamos pelo menos duas sacolinhas plásticas para separar os dejetos diários.

A solução parece estar no bom senso e nas alternativas criadas. Na cidade de Jundiaí, os consumidores precisam levar sacolas retornáveis e até carrinhos de feira quando vão aos supermercados. Ou ainda podem pagar 19 centavos pela embalagem biodegradável, feita de amido de milho.

Alguns supermercados da capital oferecem caixas de papelão gratuitas. O problema é que elas nunca parecem estar disponíveis quando chega sua vez de guardar as compras. Curiosamente, os estoques de caixas plásticas dobráveis (R$ 29,90) e carrinhos de feiras dobráveis (R$ 59,90) estão sempre em alta.

Considero errado o consumidor ter que pagar a conta dessa transição. É muito fácil pedir conscientização sobre o tema com o dinheiro dos outros. Eu vou sentir falta da sacolinha do Carrefour no banheiro de casa, mas aceito trocar por algo que não seja de plástico. Desde que... bom, basta ver o vídeo abaixo para entender a minha preocupação.

http://youtu.be/VEksh0cTSzs?t=8m5s